Skip directly to content

Jogo da baleia azul

26/04/2017

JOGO “BALEIA ZUL”

Este não é um símbolo qualquer. Baleia simboliza a mãe primordial, mas também a caverna, a “escuridão abissal”, o misterioso mar – o inconsciente. Está relacionado a vários mitos: herói, Pinocchio, Jonas, Mircea Eliade, etc. Portanto a “baleia azul” é uma representação arquetípica, teorizada por Carl Gustav Jung, que pode clarear para nós os motivos egóicos do adolescente procurar, nesse jogo, a conclusão de sua vida, buscando ilusoriamente a saída para a grande angústia em que está imerso.

O adolescente que faz a opção egóica por este jogo tem algumas características comuns: baixa autoestima, insegurança, pouca estrutura para frustrações, baixa facilidade de interação social - fora das redes sociais, pouca interação familiar e, claro, o “desejo” de morrer que, muitas vezes, é o desejo de “morrer” simbolicamente, de sair desse estado de coisas.

Nesse ambiente emocional disfuncional, os sintomas psicopatológicos das doenças da ansiedade e depressão estão presentes.

Os adolescentes, na sua maioria, vivem uma fase do seu desenvolvimento humano em que “tudo” parece ser definitivo, são mais ousados, não vendo muito perigo em situações arriscadas, onde podem perder suas vidas. Eles estão ligados, quase que 24 horas nas redes sociais; postam fotos “alegres” de momentos presentes como o snapchat, facebook, etc. Vivem como se estivessem num cenário teatral, representando papéis que muitas vezes não refletem sua realidade. Outros já com os sintomas depressivos, vendo a “alegria” estampada nas figuras de seus ídolos, do cinema, da música, etc. percebem que realmente este mundo não é seu lugar.

Combinado e concomitante com a vida interior desse adolescente, alguns fatores familiares têm fator preponderante para agravar esse estado de coisas: falta do diálogo honesto e profundo, conversas – quando acontecem – muito superficiais. Em alguns casos “distância afetiva” de mãe e pai, compensada por bens materiais.

Mas na raiz de toda a angústia, conflitos e crises está a ausência de “sentido de viver”, de “propósito de sua existência”, proporcionado pelo desenvolvimento da Espiritualidade em cada ser.

Como prevenção ao suicídio e todas as formas disfuncionais de viver a vida, os pais/responsáveis devem: a) observar melhor o comportamento dos próprios filhos e buscarem ajuda profissional psicológica, sem preconceitos; b) oferecer “a presença afetiva”, forma concreta do amor; c) propor o “diálogo”, de alma para alma; d) oferecer a formação emocional e principalmente a formação da Espiritualidade a seus filhos. Se ainda também não têm essa formação, que façam em benefício próprio e a de seus filhos.

Ações todas resultantes do Amor, palavra sublime ensinada pelo Mestre Jesus e solução para todas as vicissitudes, conforme a orientação do Espírito Joana de Ângelis, na totalidade das psicografias oferecidas pelo médium brasileiro Divaldo Pereira Franco e nosso querido Espírito Luiz Sérgio, nas mais de 30 obras psicografadas.

Edna de Oliveira Souza

CRP 14ª/05958-9

Diretora Presidente da ABRAPE Campo Grande (MS)

Por: 
Edna de Oliveira Souza